CONHEÇA QUATRO CIDADES BRASILEIRAS QUE NÃO COBRAM PASSAGENS DE ÔNIBUS

A reivindicação do Movimento Passe Livre contra o aumento das passagens e pela implantação da tarifa zero na capital paulistana pode parecer uma utopia, mas em pelo menos quatro cidades do interior do Brasil ela já é realidade. E, em alguns casos, há mais de uma década. Em Agudos e Potirendaba, no interior de São Paulo, em Porto Real, no Rio de Janeiro, e em Ivaporã, no Paraná, ninguém paga para andar de ônibus.
 Em Agudos, a tarifa zero foi implantada em 2003 pelo então prefeito Carlos Octaviani (PMDB) e resiste até hoje. Lá, o transporte público é 100% gratuito para todos os 40 mil habitantes. Todo o sistema, que transporta cerca de 9 mil pessoas/dia, é operado pela prefeitura e os motoristas são funcionários concursados.
 Em Potirendaba, cidade com 16 mil habitantes, o transporte também é gratuito. Em 1998, o município foi pioneiro no Brasil na implantação da tarifa zero, mas o benefício foi suspenso durante um período pela administração passada, sendo retomado pela atual prefeita, Gislaine Montanari Franzotti (PMDB), reeleita ano passado. Os ônibus circulam das 6h`as 22h e transportam por dia cerca de 200 passageiros. Mesmo caso de Ivaporã, no Paraná, onde o transporte público é 100% subsidiado desde 2001. Na cidade de Porto Real, de 17 mil habitantes, segundo lugar no ranking nacional do PIB (Produto Interno Bruto) per capita, os usuários não pagam tarifa desde 2011.

 O prefeito de Agudos, Everton Octaviani (PMDB), diz que a tarifa zero custa aos cofres públicos cerca de R$ 40 mil por mês. “Não é fácil manter o serviço, mas foi uma opção que fizemos e que teve efeitos muito positivos. O município passou a atrair empresas, que ficam dispensadas de pagar o vale-transporte, e gerar emprego e renda”. Segundo ele, se a passagem fosse cobrada, a tarifa seria em torno de R$ 1,50, recurso que, na sua opinião, pesa no bolso de uma família grande e de baixa renda. Para o prefeito, a experiência de Agudos e de outras cidades do Brasil que adotam tarifa zero deveria servir de modelo para as grandes cidades.
 “Alguém pode dizer que bancar isso é fácil porque nossa cidade é pequena, mas não é bem assim. Nossa arrecadação é proporcional ao nosso tamanho e se R$ 100 mil, mais ou menos o custo desse subsídio hoje, pode ser nada para uma cidade como São Paulo, para a gente é muito dinheiro. As concessões têm de ser revistas, o serviço tem que ser melhor e a passagem, mesmo que não dê para ser gratuita em todas as cidades, tem de ser menor”.
 É também o que defende um dos idealizadores da tarifa zero, o engenheiro Lúcio Gregori, ex-secretário municipal de Transportes de São Paulo entre 1990 e 1992, durante a gestão da então prefeita Luiza Erundina, na época filiada ao PT. Na época, Erundina chegou a propor o subsídio integral do transporte público, que seria bancado com o aumento de impostos como IPTU, mas o projeto não vingou na Câmara Municipal. Para ele, o transporte gratuito é tão possível quanto a educação e a saúde gratuitas. É claro, destaca o engenheiro, que a realidade das cidades é diferente, “mas as administrações tinham que investir para garantir um forte subsídio, tendo como meta a tarifa zero”

COM CIÚMES, MULHER MATA O MARIDO, ARRANCA O PÊNIS DELE E DORME 19 DIAS COM O CORPO.

Um crime com requintes de crueldade foi desvendado por policiais da 58ª DP (Posse): uma mulher matou o marido a facadas, decepou o pênis dele e dormiu ao lado do corpo durante 19 dias. O assassinato aconteceu no bairro Cerâmica, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Luzinete Silva de Paula, de 50 anos, foi presa nesta segunda-feira.  Levada para a delegacia, ela chorou, confessou o crime e disse estar arrependida. Alegou que teve uma crise de ciúmes e, por isso, assassinou Antônio Joaquim de Carvalho, de 78 anos, em 28 de maio. — Achei que ele tinha um caso com outra mulher. Depois, fiquei esse tempo com o corpo porque a minha mente estava bloqueada. Durante esses dias, não comi. Só tomei café e fumei — contou ela. Os policiais chegaram até Luzinete depois de receberem uma denúncia de vizinhos. Eles sentiram um forte cheiro saindo da residência onde o casal morava. Na cama, eles encontraram o corpo de Antônio, em avançado estado de decomposição. Ao lado, um colchonete onde a acusada dormia. Segundo policiais da 58ª DP, Luzinete passará por avaliação psicológica. Os agentes disseram ainda que ela já foi presa por roubo, furto e uso de drogas.

COM CIÚMES, MULHER MATA O MARIDO, ARRANCA O PÊNIS DELE E DORME 19 DIAS COM O CORPO.

Um crime com requintes de crueldade foi desvendado por policiais da 58ª DP (Posse): uma mulher matou o marido a facadas, decepou o pênis dele e dormiu ao lado do corpo durante 19 dias. O assassinato aconteceu no bairro Cerâmica, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Luzinete Silva de Paula, de 50 anos, foi presa nesta segunda-feira.  Levada para a delegacia, ela chorou, confessou o crime e disse estar arrependida. Alegou que teve uma crise de ciúmes e, por isso, assassinou Antônio Joaquim de Carvalho, de 78 anos, em 28 de maio. — Achei que ele tinha um caso com outra mulher. Depois, fiquei esse tempo com o corpo porque a minha mente estava bloqueada. Durante esses dias, não comi. Só tomei café e fumei — contou ela. Os policiais chegaram até Luzinete depois de receberem uma denúncia de vizinhos. Eles sentiram um forte cheiro saindo da residência onde o casal morava. Na cama, eles encontraram o corpo de Antônio, em avançado estado de decomposição. Ao lado, um colchonete onde a acusada dormia. Segundo policiais da 58ª DP, Luzinete passará por avaliação psicológica. Os agentes disseram ainda que ela já foi presa por roubo, furto e uso de drogas.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA PÓLIO TERMINA NA SEXTA

Última semana para que as crianças com idade entre seis meses e menores de 5 anos sejam imunizadas contra a paralisia infantil (poliomielite), dentro da Campanha Nacional de Vacinação contra a Pólio. As gotinhas são a única foram de prevenção contra a doença e não têm contraindicações. Até quarta-feira, as vacinas estão sendo oferecidas em todos os postos de saúde do município, das 08 às 17 horas. Já nos dias 20 e 21 estarão disponíveis nas unidades de emergência. Desde o início da campanha, no dia 05 de junho, cerca de 84 mil crianças foram imunizadas em Salvador, o que representa 53,5% de cobertura. A meta é alcançar 95% do público alvo, estimado em 156.682 pessoas. O Brasil – assim como toda a América Latina – foi certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como livre do vírus da poliomielite. Essa vitória ocorreu, sobretudo, pelas campanhas realizados desde a década de 80. A importância da vacina é manter o país livre da circulação do vírus que ocasiona a doença.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA PÓLIO TERMINA NA SEXTA

Última semana para que as crianças com idade entre seis meses e menores de 5 anos sejam imunizadas contra a paralisia infantil (poliomielite), dentro da Campanha Nacional de Vacinação contra a Pólio. As gotinhas são a única foram de prevenção contra a doença e não têm contraindicações. Até quarta-feira, as vacinas estão sendo oferecidas em todos os postos de saúde do município, das 08 às 17 horas. Já nos dias 20 e 21 estarão disponíveis nas unidades de emergência. Desde o início da campanha, no dia 05 de junho, cerca de 84 mil crianças foram imunizadas em Salvador, o que representa 53,5% de cobertura. A meta é alcançar 95% do público alvo, estimado em 156.682 pessoas. O Brasil – assim como toda a América Latina – foi certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como livre do vírus da poliomielite. Essa vitória ocorreu, sobretudo, pelas campanhas realizados desde a década de 80. A importância da vacina é manter o país livre da circulação do vírus que ocasiona a doença.

PROTESTOS SE ALASTRAM PELO PAÍS

O protesto contra o aumento das passagens em São Paulo se dividiu e fechou vias importantes da cidade na noite desta segunda-feira. Às 20h, a ponte Octavio Frias de Oliveira, na marginal Pinheiros, e a avenida Paulista, na região central, estavam bloqueadas em ambos os sentidos. Os manifestantes dizem que não há um destino definido.
Durante a passagem pela ponte, a maioria dos manifestantes começou a pular, o que fez a estrutura tremer. No caminho, os manifestantes chamaram a população para participar do protesto e soltaram diversos gritos de ordem contra o aumento das passagens.
Houve também protestos no Rio, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza e outras capitais. Em Brasilia os manifestantes ocuparam parte do Congresso Nacional e no Rio atearam fogo na entrada da Assembléia Legislativa.