Preso desde setembro do ano passado na Papuda, o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) prestou depoimento hoje (6) à Justiça Federal, em Brasília. Ele afirmou que foi lançado pelos seus próprios amigos no “vale dos leprosos” e negou ter atuado com objetivo de impedir a delação premiada do corretor Lúcio Bolonha Funaro ao manter inúmeros contatos com a mulher dele após a prisão pela Lava Jato. Geddel alegou que o propósito das ligações e mensagens enviadas era prestar “solidariedade” a Raquel Pita, que cuidava de uma filha recém-nascida e teve o marido encarcerado. “Eram ligações absolutamente humanitárias”, classificou. Numa divagação, Geddel disse que as “ligações amigáveis devem ter feito bem” à mulher do delator. “Digo isso porque amigos de longa data me lançaram ao degredo, me lançaram ao vale dos leprosos”, declarou, em tom dramático. Ele chegou a derramar lágrimas durante depoimento, mas elas não parecem ter convencido a Justiça. O tempo de cadeia já causou redução de peso em Geddel