A equipe do técnico José Roberto Guimarães bateu a Itália no sufoco e conquistou pela 12ª vez na história o Grand Prix. O jogo foi para o tie-break (set desempate), mas meninas levaram a melhor nos 3 a 2 (26-24, 17-25, 25-22, 22-25 e 15-8). Agora, o Brasil está ainda mais distante dos Estados Unidos, na segunda colocada em títulos – seis. As italianas, por sua vez, amargaram o vice-campeonato seguido. Ainda oscilando bastante, o time contou com grandes atuações das centrais Adenízia e Ana Beatriz, principalmente no bloqueio, e com os ataques das experientes Natália e Tandara. A oposta Paola Egonu foi a maior pontuadora da decisão, 29 pontos. Na trajetória, passou por altos e baixos. Para chegar à semifinal, por exemplo, precisou de uma virada improvável da China sobre a Holanda, que desperdiçou seis match-points. É preciso ter sorte de campeã, sempre. Depois, o Brasil ganhou da Sérvia para ir à decisão, mas não reencontrou as anfitriãs chinesas, que perderam da Itália nas semis. E a grande final, pelo placar, foi tensa, com as duas seleções brilhando por dois sets cada uma até o Brasil deslanchar no tie-break para confirmar o título quase um ano após o desastre dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, quando nem pódio pegou. Confira ponto que deu o título às brazucas.