Foto: Reprodução

Após três meses seguidos de alta, a produção industrial brasileira caiu 1,2% em novembro, na comparação com outubro. Trata-se do maior recuo mensal desde março (-1,4%). Na comparação com novembro do ano passado, a queda foi de recuou 1,7%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o levantamento, no acumulado no ano, o setor industrial tem queda de 1,1%. Em 12 meses, a produção manteve recuo de 1,3%, repetindo os resultados de setembro e de outubro.

Com a perda de ritmo em novembro, o índice de média móvel trimestral ficou negativo (-0,1%) e interrompeu a trajetória ascendente iniciada em julho. De adcordo com o IBGE, 16 dos 26 ramos pesquisados registraram recuo na produção em novembro. As principais quedas foram registradas nos segmentos de produtos alimentícios (-3,3%), veículos automotores (-4,4%) e indústrias extrativas (-1,7%).

Outras contribuições negativas relevantes vieram de outros produtos químicos (-1,5%), de máquinas e equipamentos (-1,6%), de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-5,7%), de celulose, papel e produtos de papel (-1,8%), de produtos de minerais não-metálicos (-1,8%) e de metalurgia (-1,1%).

Já entre os ramos que conseguiram ampliar a produção em novembro, destaques para coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1,6%), impressão e reprodução de gravações (24,0%) e produtos de borracha e de material plástico (2,5%).

Já entre os ramos que conseguiram ampliar a produção em novembro, destaques para coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1,6%), impressão e reprodução de gravações (24,0%) e produtos de borracha e de material plástico (2,5%).