O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), avalia não disputar a eleição para o governo da Bahia. São vários os motivos para a dúvida. Ele teria de renunciar em abril para concorrer, enquanto seu principal adversário, o governador Rui Costa (PT), pode buscar a reeleição no cargo, o que lhe dá vantagem. Se perder para o petista, Neto ficaria sem mandato até 2022, tempo demais longe do eleitor para quem depende de votos. A legislação eleitoral o impede de tentar voltar à prefeitura em 2020, porque isso seria considerado um terceiro mandato consecutivo. Tem mais. Outra condicionante é que, se Rui Costa conseguir a reeleição para o governo, o PT vai para 16 anos de poder consecutivo e sofrerá o desgaste natural do tempo, enquanto Neto tem grandes chances de terminar o mandato de prefeito bem avaliado. Com a palavra. Procurado, ACM Neto diz que não comenta o assunto. A última vez que o DEM ocupou o governo da Bahia foi com Paulo Souto, em 2006. Ele perdeu a reeleição para Jaques Wagner (PT).

Coluna do Estadão